quinta-feira, 3 de maio de 2007

3° IRT São José do Rio Preto 2007 - Aberto do Brasil



Mais uma vez voltamos a São José do Rio Preto (e ainda postaremos mais duas matérias tendo Rio Preto como pano de fundo. Entrevistas com Taís Julião e com Felipe El Debs!).

As coisas começaram bem. Eu e Reginaldo “Jones” partimos de Matão às 7 da manhã do sábado (dia 28) sendo que o torneio iria começar somente às 2 horas da tarde. Não seria problema nenhum se eu não tivesse ido dormir às quatro horas da madrugada. Enquanto isso Vivaldão pernoitava, em um ônibus qualquer, vindo de São Paulo. E Jaiminho Gimenes, nosso “Monk”, chegaria somente para a segunda rodada.

Mas, tudo bem. A viagem foi tranqüila. Logo na chegada, boas lembranças sufixaram se em minha consciência deverás sonolenta. Lembrei-me que a última vez que tinha jogado em Rio Preto acabei por abandonar o torneio: “Problemas de suma importante pessoal” (praticamente no valor de um cavalo e duas torres!). Muito importante também, foi avistar um pouco depois da entrada da cidade a eterna floricultura “Fernanda Flores” que me faz lembrar o quanto uma pessoa (no caso eu) pode ser idiota e deixar escapar boas oportunidades. Mas uma das desilusões do Vivaldinho? Claro... Seria muita maldade torcer pelo fechamento da loja? Quem sabe...

Voltando ao torneio, confesso que nada muito inusitado aconteceu. O Gabriel não cometeu nenhuma gafe (talvez, isso tenha sido o mais inusitado...). Até consegui tirar umas fotos com ele (estou esperando o GRANDE Chris mandá-las). E falando em fotos e no Christian, rolou uma chantagem sobre certas fotos tiradas no casamento deste. Confesso que ficarei extremamente chateado se essas fotos vazarem. Prefiro guardar como recordação daquela festa apenas à expulsão que sofremos pelos garçons. Ou à volta para Matão em baixo de chuva, na qual eu, El Debs, e Filipe Guerra, retornamos completamente bêbados de Bauru. Mas, um acidente na pista com dois carros, bem na nossa frente, deixou a gente bem esperto... Ninguém nem mais piscou aquela noite...

Voltando novamente ao torneio, não posso deixar de lembrar da frase que repeti até a exaustão com o Jaiminho: “-Eu te conheço! Você não é padre coisa nenhuma...”. Devo agradecer ao Jaime por suscitar minha curiosidade em assistir novamente o Poderoso Chefão, aliás, os três filmes, e, também, pelos conselhos! E claro, não esqueceremos de sua rapidez e reflexo frente ao seu tombo “a la Name” no meio do salão. Com certeza uma homenagem ao mestre de Ribeirão!

A música "Losing My Religion", do grupo "REM", será lembrada como tema do torneio. Nosso amigo Jones, antes de uma das rodadas, caiu na besteira de mostrar-me que esse era o toque de seu celular. Resultado: fiquei ouvindo a canção várias vezes, sem parar, toda hora. Foi então que algo curioso aconteceu. Em uma das últimas rodadas do torneio, diante daquele silêncio sepulcral, ouço: “Ohhhh Live... Life is bigger...”. Ao olhar para trás, vejo Jones, balançando a cabeça... Sim, o gambito Nokia tinha atacado outra vez. Foi aí que algo ainda mais inusitado aconteceu: O adversário de Jones não admitiu ganhar o ponto daquela maneira e quis continuar a partida. Uma verdadeira amostra de cavalheirismo! Eis aí uma novidade que merece Informador: O gambito Nokia... Recusado! E vou querer meu nome lá também, pois fui eu que fiquei pedindo ao Jones o celular emprestado para ouvir a música. De certa maneira, o celular ter ficado ligado foi culpa minha também...

Algumas pessoas (alguns amigos antigos, outros novos) comentaram sobre o blog. Acreditem, algumas até leram! Como tem gente doida nesse mundo! Agradeço a todos!
Ponto para meus relações públicas!

Sobre as atuações matonenses, acredito que foram razoáveis. Jones não jogou muito bem, mas é uma questão de ritmo, estudo, e esforço. Eu e Jaiminho Gimenes fizemos um torneio bem burocrático (Jaime ainda mais, pois terminou invicto). Perdemos alguns pontos Fide, mas acredito que fizemos por merecer. Aliás, aprendi que minha ingenuidade ainda não foi completamente curada: Jogar Gambito do Rei, contra um MI, só vai te dar cinco minutos de fama...

Vivaldão brilhou (vide foto). “Não sei o que ele está tomando” como disse Felipe, mas o moço está jogando bem e feliz. Depois de um tropeço na segunda rodada (ganho, depois empatado, depois, abandonado!) Vivaldão ressurgiu tal qual uma fênix (Desculpe, mas é impossível não usar essa metáfora. Na verdade, acredito que a comparação com a fênix seria mais pelo narcíseo rabo da ave do que por qualquer outra coisa... O que dizer de alguém que comenta o seguinte: “Eu tenho um estilo bonito... você não acha? Pelo menos, quando eu não penduro...?”). E foi impossível não reparar em sua habilidade ambidestra em anotar o lance e aceitar o empate concomitantemente. Fico me perguntado o que será de mim se ele virar no mínimo Mestre Fide:
“- Você Conhece o Vivaldo?
- Qual, o Mestre ou o outro?”.

Seria muita maldade torcer contra ele? Quem sabe... (Brincadeira Vivaldão!).

Um final de semana, e feriado, onde consegui me ludibriar com as peças e esquecer um pouco dessa “rotina vazia” (Nenhum de Nós, lembram? O máximo que consegui me ligar na "realidade" foi que durante as partidas eu ficava pensando em "pronomi combinati"). Rever amigos ou conhecer pessoas é sempre bom. E o xadrez só melhora isso. (Olha só, como isto aqui está ficando alto-astral!).
A vitória no torneio foi do Mestre Argentino Dolezal (empatado com o MI Brasileiro Krikor)onde toda a torcida local pelo “Brasuruguaio” mestre Crosa, não foi suficente. Segue abaixo os 10 primeiros colocados e os matonenses:

1 Cristian Dolezal ARG 2414 6
2 Krikor Sevag Mekhitarian BRA 2416 6
3 Alexandr Hilario Fier BRA 2499 5.5
4 Martin Crosa URU 2403 5
5 Jose Cubas PAR 2447 5
6 Dragan Stamenkovic SRB 2423 5
7 Leandro Perdomo ARG 2389 5
8 Gabriel Ricardo Salim Name BRA 2230 5
9 Vanderlei Cason Melo BRA 2094 5
10 Fernando Vicente Vivaldo BRA 2176 5

Leonardo Vivaldo 22°; Jaime Gimenes 23°; Reginaldo “Jones” Albano 52°; de um total de 63 jogadores.

É isso. Até mais.
Forte abraço.

(Obs.: O MI El Debs foi acometido por uma forte dor de garganta. Assim que nosso amigo se reestabelecer, faremos a entrevista. Melhoras Tony!).

2 comentários:

Filipe Guerra... um dos tarja preta disse...

ohhhhhhh galera
saudades de voces
é nóis nos regionais hein
yahhhhhhhhhh

vivaldinho... eu ainda sei mexer as pedras sim... hahahahaha... ó o respeito hein rapá....

outra coisa.... El Debs.... é nóis MI... é nóis....

Anônimo disse...

É nóis meu tchutchuco!!! É nóis!!!

Desculpe a demora em tecer meu humilde comentário a respeito do seu blog. Espero sinceramente que nosso amor não tenha diminuído devido a isso!!!!

É muito amoooouuuurrrr!!!!

(Depois que comecei a trabalhar nessa p... de Usina, não consigo fazer mais p... nenhuma direito, nem trabalhar, nem estudar, nem namorar e principalmente, nem jogar xadrez!!!)

Se vc usasse toda essa criatividade que vc tem nas matérias e entrevistas que "posta" neste blog pra jogar xadrez, vc seria grande mestre fácil!!!!! (acho que já disse alguma coisa parecida para o seu irmão.... hahahaha)

Quanto a mim, agora pretendo me recolher à minha insignificância: só vou jogar Jogos Operários, Olimpíadas do IMMES, Jogos Jurídicos... acho que vou fazer um campeonatinho de xadrez com o povo que frequenta o bar do gaúcho tb... (fala gaúúúúúúúcho!!!) assim acho que ganho alguma coisa...

Ahhhh, e antes que eu me esqueça: Parabens pelo blog!!!!! hehehehe

É nóis!!!! É nóis!!!!

PS: e não se esqueça de passar lá em casa para pegar a camisa que o Tony te deu!!! hehehehehe... pq se depender de eu lembrar...


Frare